Chery Notícias Equipe Carros da China

Chery Celer fica aquém de nacionais similares

Quando os carros chineses começaram a ser vendidos no Brasil, muitos falaram em vencer a barreira do preconceito, em evitar torcer o nariz antes de realmente testar os produtos. Mas contra fatos não há argumentos. E o fato é que os automóveis chineses ainda deixam muito a desejar. Apesar de já ser possível notar algumas melhorias, eles ainda estão muito distantes em termos de qualidade em relação a qualquer outra fabricante que atue hoje no Brasil.

Lançado na última semana, o Chery Celer é um claro exemplo dessa situação. Nas versões hatch ou sedã, o compacto pode até ter uma lista de equipamentos recheada, mas ainda assim passa longe nos quesitos desempenho e acabamento de opções que chegaram ao mercado nos últimos meses, como Hyundai HB20 ou Chevrolet Onix – isso na mesma faixa de preço, R$ 35.990 para o hatch e R$ 36.990 para o sedã.

chery-celer

Seu preço, aliás, foi um fator determinante para a marca se firmar no Brasil, no caso com o subcompacto QQ. Um carro também bastante equipado, na faixa de R$ 23 mil, que vendeu 7.444 unidades no ano passado. Mas, para o Celer brigar com os novatos e com veteranos como Volkswagen Gol e Fiat Palio, ainda falta chão. Resta mirar no outro chinês que tem basicamente as mesmas características, o JAC J3, que fez um sucesso estrondoso quando lançado – graças a um bem elaborado plano de marketing – e cujas vendas agora começam a declinar.

Conhecido como Fulwin em outras partes do mundo, o Celer tem um design que não é de todo mal, apesar de parecer ter “emprestado” peças de outros veículos conhecidos por aqui – é impossível olhar para os faróis e não lembrar do (agora finado) Renault Symbol, por exemplo. O hatch tem uma aparência mais acertada, com traseira moderna e tampa do porta-malas que se abre de forma inteiriça. Já as lanternas do sedã parecem não conversar com o desenho dianteiro.

A Chery afirma ter modificado mais de 140 itens em relação à versão chinesa para adaptar ao gosto do brasileiro. Bom, então podemos concluir que ou os chineses aceitam qualquer coisa, ou acham que o brasileiro não merece um acabamento refinado.

Rebarbas estão por toda parte, as peças são frágeis e há parafusos aparentes em diversos lugares. Pelo menos airbag para motorista e passageiro, freios com sistemas ABS e EBD, ar-condicionado, direção hidráulica e sistema de som com CD e MP3 player são itens de série, uma forma de compensar pelo interior mal acabado.

chery-celer-2

Na estrada os problemas se tornam ainda mais evidentes. Apesar de um câmbio com bons encaixes, mesmo que com quarta e quinta marchas alongadas, e motor 1.5 de 108 cv (mesma potência com etanol e gasolina) que acelera razoavelmente bem, alguns detalhes incomodam quem está atrás do volante, a começar pelo alto barulho interno, causado não só pelo motor (que trabalha em rotação alta, contribuindo para aumentar o nível de ruído), mas principalmente pelo rolamento dos pneus.

Dá para perceber que o isolamento acústico não foi bem trabalhado. Outro aspecto que chega a preocupar o motorista é a trepidação intensa no pedal do acelerador quando o carro ultrapassa os 120 km/h.

O Celer será o primeiro carro da marca a ser produzido no Brasil, na fábrica de Jacareí (SP), a partir do final deste ano. Resta esperar que o automóvel brasileiro traga melhorias ou pelo menos um preço mais compatível com a sua realidade. Caso contrário a capacidade de produção, que inicialmente será de 50 mil unidades por ano, ficará ociosa.

Chery Celer 1.5 Flex
DADOS DO VEÍCULO
Motor 4 cilindros em linha, 16V, flex, 1.496 cm³
Potência 108 cv a 6.000 rpm
Torque 14 kgfm a 3.000 rpm
Transmissão manual de 5 velocidades
Peso 1.200 kg
Pneus 185/60 R15
Tanque 50 litros
Porta-malas 380 litros (hatch) e 450 litros (sedã)
Comprimento/largura/altura/entre-eixos 4,14 (4,47 o sedã)/1,69/1,49/2,53 (em metros)
Fabricado na China
PREÇOS
R$ 35.990 (hatch) e R$ 36.990 (sedã)
ACELERAÇÃO DE 0 A 100
Não divulgada
VELOCIDADE MÁXIMA
160 km/h
CONSUMO
13,3 km/l em percurso misto (com gasolina)
DE SÉRIE
Direção hidráulica, ar-condicionado, airbags duplos frontais, freios com sistema ABS e EBD, CD e MP3 player com entrada USB, rodas de liga leve de 15 polegadas
OPCIONAIS
Não há
PRINCIPAL CONCORRENTE
JAC J3

Vi no Carpress

Sobre o autor | Website

Alexandre Carvalho é empresário na área de Marketing e Coaching. Uma das suas empresas é a Forcom, especialista em gestão de marketing e conteúdo. Ativo e interessado em diversas temas, tem como objetivo divulgar o segmento de Carros Chineses no Brasil.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

2 Comentários

  1. shit google, fuck Google,SFSsafiji2142

  2. RAIMISON JORGE diz:

    ACHO INTERESSANTE, ESSAS NOTICIAS TENDENCIOSAS, TENHO UM CHERY CELER, JÁ TIVEMOS UM LIFAN X60 E GARANTO QUE O CUSTO BENEFÍCIO, CONFORTO E DESEMPENHO BATEM MUITOS DESSES FABRICADOS NO BRASIL, TIPO FIAT, FORD E WOLKS, NÃO SEI SE RECEBEM PATROCINIO DESTAS, MAS ACREDITO QUE DEVERIM AVALIAR MELHOR ANTES DE DIVULGAR NOTICIAS TENDENCIOSAS, COMPARANDO QUE COM 60 MIL REAIS VOCÊ MAL CONSEGUE COMPRAR UM HB20, REALMENTE VALE A PENA UM TIGGO COMPLETO COM CAMBIO AUTOMATICO. SEM CONTAR QUE, SE VOCÊ DESMONTAR QUALQUER CARRO DESTAS OUTRAS MARCAS VERÁS QUE TODAS AS PEÇAS SÃO FABRICADAS NA CHINA.