Browse By

Chery quer construir ‘cidade industrial’ no Brasil para 2013

A montadora estatal chinesa Chery afirma que cumprirá o índice de nacionalização de 65% dos carros que começam a ser produzidos no Brasil a partir de 2013. Só assim, a companhia se livraria do aumento de 30 pontos percentuais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Para chegar ao número, o presidente da Chery Internacional, Zhou Biren, anunciou, nesta terça-feira (27), a construção de uma “cidade industrial” no país.

O futuro pólo fará parte do terreno em Jacareí (SP) onde já é construída a fábrica da montadora, com capacidade para produzir anualmente 150 mil unidades em três turnos. A planta tem inauguração prevista para dezembro de 2013, mas começará com a produção de 50 mil unidades no ano.

Para que o plano se sustente, a estratégia da Chery é atrair fabricantes de autopeças chinesas, além de fornecedores brasileiros e multinacionais, como Delphi e Bosch, que já têm operações no país. O pólo deverá garantir também a redução de custos logísticos.

Como o Brasil já possui uma cadeia completa de fabricantes de autopeças, a entrada de fornecedores chineses só acontecerá se os preços nacionais não forem competitivos, de acordo com a Chery.

“Empresas brasileiras que quiserem investir na área de Jacareí serão muito bem-vindas”, ressalta o executivo. Segundo Zhou Biren, joint-ventures entre empresas chinesas e brasileiras serão estimuladas.

“A fábrica não será um CKD (local apenas para montagem de carros), mas uma fábrica completa, de verdade”, diz Biren. Segundo ele, a empresa se prepara para, além de atender ao mercado brasileiro, exportar para Uruguai, Argentina, México, entre outros países. “O imposto para vender carro chinês para o México é muito alto. Exportar do Brasil para o mercado mexicano é muito importante para nossa estratégia e o novo acordo entre Brasil e México colabora para isso”.

Assim, a construção de uma fábrica de motores no país também está dentro dos planos. A Chery já investe US$ 400 milhões no Brasil. O aporte é dividido em duas etapas. Na primeira fase, US$ 200 milhões vão para a instalação das áreas de soldagem, pintura e montagem final. Na outra, o restante será aplicado na construção do setor de ferramentaria.

“Temos que atender à exigência do governo brasileiro”, diz o novo presidente da Chery do Brasil, Kong Fan Long. Mesmo afirmando que a empresa atingirá o índice de nacionalização, o aumento do IPI ainda é uma pedra no caminho da montadora, até porque nem todos os modelos serão produzidos localmente. Como a também chinesa Jac Motors, a Chery negocia com o governo brasileiro uma flexibilização da cobrança do IPI para investir localmente.

Dois modelos brasileiros
A Chery não revela quais carros sairão das linhas brasileiras, mas garante que até 2014 serão dois modelos. Mesmo assim, a empresa diz que ainda faz estudos de mercado para definir quais veículos fabricar localmente.

60 mil para 30 mil unidades
Embora o mercado brasileiro seja estratégico, o aumento do IPI prejudica as vendas da marca, que afirma não repassar o imposto aos preços. De acordo com a Chery, a expectativa inicial era vender, neste ano, 60 mil unidades. No entanto, a projeção de importação foi reduzida a 30 mil unidades. Em 2011, as vendas da marca foram de 22 mil unidades.

A mudança de planos por causa do IPI forçou também a passagem das operações brasileiras para a tutela da Chery Internacional. A partir de agora, a Chery do Brasil fica sob o comando de Kong Fan Long e o brasileiro Luis Curi, responsável por trazer a marca, fica como chefe-executivo e diretor comercial. Fora eles, Du Weiqiang assume a vice-presidência e Wu Denun a diretoria industrial.

A mudança já reflete na rede de concessionárias. Os 105 pontos de vendas começam a ser transferidos para a Chery do Brasil.

Vi no Cenario MT

2 thoughts on “Chery quer construir ‘cidade industrial’ no Brasil para 2013”

  1. Foguinho says:

    O mais interessante de todas essas reportagens da fábrica da Chery é que a única preocupação deles é poder escapar do aumento no IPI para não parar de vender. Os inúmeros problemas enfrentados por quem teve o azar de adquirir um Chery eles esquecem completamente: defeitos em todos os modelos (a ponto de ter que trocar a coluna da direção), peças que levam meses para chegar, péssimo atendimento do SAC, descaso completo com os problemas dos clientes.

    Sinceramente, melhor que mantenham suas fábricas na China mesmo.

  2. roberto says:

    ola sou funcinario de uma concesinaria honda

    ola ja trabalhei em uma concesinaria honda e esses tipo de problema nao acontece so com o s chineses o propio new civic saiu de fabrica com varios problemas tais como pedal da embreagem pedal do acelerador ruido na caixa de direcao e outros que sao trocados nas concesinaria sem que o cliente saiba chamado de recall branco interno por isso vamos ver com outros olhos os carros chineses porque foram eles que fiseram as nossas carrocas tais como gol g 4 uno fiesta corsa todos com projeto de mais de 10 anos que tambem saem de fabrica com varios problemas de fabricacao

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Read previous post:
Carros chineses copiam de alemães a americanos

Quando os carros coreanos começaram a figurar em diversos mercados, muitos consumidores os receberam “torcendo o nariz”. Os modelos chegaram...

Close