Browse By

Chineses apostam no Brasil

Maior mercado para a Fiat, segundo maior para a Volkswagen e terceiro para a General Motors, o Brasil vem batendo recordes de vendas e este ano deve atingir 3,7 milhões de veículos. O Produto Interno Bruto (PIB), que cresceu 7,5% em 2010, deve desacelerar para cerca de 4%, ainda assim atrativo para empresas de mercados estagnados como Europa, Japão e Estados Unidos.

Além de modelos compactos mais baratos, o País atrai fabricantes de carros de luxo, como a alemã BMW, que deve anunciar uma fábrica nos próximos meses. A japonesa Suzuki já escolheu Goiás para produzir o jeep Jimny, importado hoje por R$ 55 mil. A previsão é que o mercado brasileiro consuma 6 milhões de veículos até 2020.

Outro atrativo para as montadoras é que as subsidiárias locais costumam ser lucrativas, às vezes mais que as próprias matrizes. Também há generosa oferta de subsídios dos municípios e Estados para receber as fábricas que, na visão dos governantes, geram empregos e desenvolvimento tecnológico.

As empresas chinesas são as mais interessadas em fincar raízes no País. Além das que já anunciaram investimentos, estão na lista de interessadas Geely, BYD, Sinotruk, Foton, Great Wall e Haima/Changan. Para alguns analistas, o interesse tem a ver com a semelhança dos mercados, com ênfase em carros mais baratos e legislação menos rígida em questão de segurança.

Na opinião do gerente sênior da PricewaterhouseCoopers, Ricardo Pazzianotto, a chegada de novas fábricas no Brasil e na China tem em comum o atendimento ao mercado interno. “A maioria dos novos investimentos é para atender à demanda doméstica, embora, no caso do Brasil, também há expectativa de exportação para países da região, quando o câmbio for mais favorável.”

Estudo da PcW mostra que a capacidade produtiva mundial vai passar de 75 milhões de veículos ao ano para 104 milhões em 2017 Países emergentes – que este ano vão produzir mais carros que os maduros -, serão responsáveis por 80% da expansão.

A Ásia participará com 60% do crescimento, com a China contribuindo com 38,5%. A contribuição da América do Sul será de 10%, sendo 6,4% do Brasil. América do Norte e Europa praticamente vão repor capacidade perdida durante a crise.

A China abriga mais de 90 empresas, muitas de pequeno porte e atuação restrita. Os principais grupos operam em parceria com grandes multinacionais. Com mercado de 18 milhões de veículos, a China continua atraindo companhias internacionais. A Volkswagen e a PSA Peugeot Citroën vão construir duas fábricas e Toyota e Fiat farão mais uma cada. Já o grupo local Chery, que tem apenas uma unidade local, está construindo outras três.

A Índia está em terceiro lugar na lista dos polos atrativos, com três novas fábricas. A Rússia vai receber duas novas montadoras (Fiat e Ford), enquanto o México vai receber mais uma unidade da Honda.

Os EUA e o Japão têm previstos uma nova fábrica cada, ambas da Toyota. O grupo japonês também constrói uma segunda unidade de automóveis em Sorocaba (SP). Na Europa (com exceção da Rússia), não há nenhum projeto novo em andamento.

A chegada de novas montadoras atrai também fornecedores de componentes. A Fiat fala em convidar pelos menos 20 autopeças para se instalarem em um parque industrial ao lado da fábrica de Goiana (PE).

A Toyota já tem confirmados 12 parceiros que abrirão unidades ao lado de suas instalações em Sorocaba (SP). A Hyundai terá um parque de fornecedores ao lado da linha de montagem em Piracicaba (SP), dos quais oito coreanos que terão suas primeiras plantas no País.

O último boom de novas montadoras ocorreu entre meados da década de 90 e nos anos 2000, com a chegada de marcas como Renault, Nissan, Peugeot, Citroën, Honda, Mitsubishi e Iveco. Da leva de novatas, chamadas de newcomers, algumas fracassaram. A Chrysler e a Land Rover fecharam as portas. A Mercedes-Benz encerrou operações da unidade de automóveis em Minas Gerais – agora reaproveitada para caminhões – e a Volkswagen deixou de produzir a marca Audi no Paraná.

Vi no Diario de Mogi

One thought on “Chineses apostam no Brasil”

  1. Julio Cesar says:

    Os chineses realmente vieram pra ficar !

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Read previous post:
Noble Nano

Depois do Lifan 320, inspirado no Mini Cooper, vem aí o Noble Nano, o compacto da Shuanghuan com desenho “inspirado”...

Close